• PDF
  • Imprimir

O Rio desmantelado, por Carlos Osório

  • Seg, 19 de Março de 2018 23:37
  • Escrito por Administrator
  • carlos-osorio-deputado-psdb-15112016

    "Torço pelo Rio."

    Há um desmantelamento da prefeitura da cidade do Rio de Janeiro. Ninguém poderia imaginar que, em período de pouco mais de um ano, a cidade estivesse de joelhos, com serviços paralisados e população não atendida. A capacidade de destruição parece sem limites.

    Há questão que considero, por um lado, simbólica e, por outro, absolutamente grave. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, modificou determinação em vigor no município há décadas, de apenas permitir nomeação para juntas de recursos de multas de trânsito do Rio de servidores públicos concursados, aposentados, com mais de dez anos de experiência, nível superior e sem nenhum apontamento negativo na sua ficha de serviços. Com essa decisão, as juntas foram blindadas de aparelhamento e de corrupção.

    Fui secretário de transporte da cidade e conheci, pessoalmente, esses servidores que atuam com diligência, paixão, sentido de dever nas Jaris do município. Estão sendo jogados pela janela pelo prefeito Crivella. Falta de respeito e descompromisso com o serviço público da cidade!

    Nós, aqui no Rio, nos orgulhamos de ter o melhor quadro de servidores públicos do Brasil. São quadros de excelência em todas as áreas. Com a possibilidade de, após aposentados, serem convocados para nomeação, e continuarem servindo a nossa cidade nas Jaris, com seu conhecimento, honestidade e correção. Isto acabou.

    Agora, essas juntas virarão local de apadrinhados, cabos eleitorais, gente sem qualificação e compromisso com o Rio de Janeiro. Esse aparelhamento, que só atende a interesses eleitorais menores, levará à perda de qualidade e abrirá as portas, infelizmente, à possibilidade de corrupção. Com a nova regra do prefeito, basta, praticamente, ter uma carteira de habilitação e a pessoa será nomeada para as Jaris pelo secretário de transportes. Este é pequeno, mas importante, exemplo da destruição das estruturas da prefeitura do Rio.

    Prefeito Crivella, faço, do alto da tribuna, uma solicitação, uma exigência em nome dos mais de cem mil servidores da cidade: corrija esse equívoco imediatamente, ou avaliaremos que medidas tomar pela Câmara de Vereadores ou pelo próprio Poder Judiciário. Ainda é tempo de corrigir. Mas esteja atento, também, ao rastro de destruição que atravessa algumas regiões da administração pública municipal.

    Hoje, o Rio não tem mais preparo para responder a incidentes ou emergências. Coisas simples, como tapar um buraco, viram via-crúcis no Rio. Nem a substituição de uma lâmpada se dá na velocidade que a população requer, exige e pela qual paga, pelo sucateamento das estruturas de atendimento aos cidadãos.

    Prefeito, o senhor quase destruiu a Comlurb. Protestamos aqui muito contra o aparelhamento da melhor e mais importante empresa de limpeza urbana pública do Brasil e da América Latina. Foi invadida por horda de estranhos aos quadros, com garis e servidores sendo colocados em segundo plano; invadida por gente que não entende nada de limpeza urbana. Em boa hora, voltou atrás, demitindo o antigo presidente da Comlurb e colocando em seu lugar servidor de carreira. Faça-o, também, com relação às Jaris.

    Hora de mudar, de parar e reavaliar, de recomeçar. Terá ainda três anos de administração pela frente. A população do Rio de Janeiro pede socorro em todas as áreas: saúde pública, educação, transportes, ordenamento urbano, no cuidado e na manutenção da cidade.

    Haverá uma oportunidade, com a saída de membros do primeiro escalão da prefeitura para concorrer às eleições. Tenho certeza de que os cariocas estarão atentos aos nomes que se colocarão diante do processo eleitoral que tenham servido à cidade e vão avaliar se o fizeram bem ou mal.

    Torço pelo Rio. Quero que seja a cidade com que sonhamos, mas hoje não temos nenhum motivo para otimismo. Precisamos manter trincheira de resistência e impedir mais desmandos.

    O Rio desmantelado, por Carlos Osório