Petrópolis merece e precisa de nosso apoio, por Luiz Paulo

  • Ter, 26 de Fevereiro de 2019 08:23
  • petropolis-luiz-paulo-psdb-carioca

    Os petropolitanos são metropolitanos

    Destaco algumas questões que considero importantíssimas para o município de Petrópolis. Uma é sua inclusão na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro - projeto épico, que levou anos para ser aprovado: a Emenda Aditiva nº 1, de minha autoria. Levamos anos para que isso acontecesse, para que se tivesse consciência de sua vocação metropolitana. Para quem conhece Petrópolis, sem dúvida está mais perto do Rio de Janeiro que Mendes, Paracambi e Japeri. E Japeri e Paracambi pertencem à Região Metropolitana.

    Quero lembrar, também, que torna-se necessário votar o PL 2502/2013, de minha autoria, com o atual prefeito de Petrópolis, Bernardo Rossi, que inclui no Anexo Único do Bilhete Único, que tem todos os municípios da Região Metropolitana, o município de Petrópolis. O custo de passagem do petropolitano que trabalha no Rio de Janeiro é altíssimo.

    Mas há outras questões a considerar para melhorar as condições dessa bela cidade. Por exemplo, superar a precária situação da RJ 107, a mais famosa estrada da Serra Velha de Petrópolis. Mas sem abandonarmos um sonho antigo - a volta do trem para Petrópolis, pois já foi servido por via férrea.

    Precisamos, também, enfrentar os enormes transbordamentos do Rio Quitandinha, na Rua Coronel Veiga. Existem estudos preliminares de ter, inclusive, um extravasor naquela região, devido às enchentes constantes. Essa é atribuição do governo do Estado, por serem intermunicipais os rios que cortam Petrópolis.

    Acrescento, entre outros pontos importantes, que, no centro histórico de Petrópolis, há uma UPA – Unidade de Pronto Atendimento - ,que não recebe repasses do Estado; com isso, as duas unidades do centro prestam um serviço muito precário. Aliás, destaco que a gestão passada, dos 12% dos recursos dos impostos em Saúde devidos, só investiu 6%.

    Chamo a atenção para o fato de que, nas regiões de Quissamã e Cascatinha, há milhares de construções em áreas de risco; são 27mil famílias que merecem olhar mais atento, sob a ótica da política de habitação. Mesmo reduzindo valores, em dezembro passado a Alerj firmou a posição de que 5% do Fundo Estadual de Combate à Pobreza têm que ser investidos em habitação. Antes eram 10%, mas houve acordo no Colégio de Líderes, já que o último investimento do Estado no Fundo de Habitação de Interesse Social tinha sido de apenas 1%, e havia o compromisso do governo de investir realmente, pelo menos, 5% de 5 bilhões de reais, que é a previsão do Fundo Estadual de Combate à Pobreza; ou seja, 250 milhões de reais. A Região Serrana, principalmente Petrópolis e Teresópolis, mas não somente, ainda sofre o castigo da dura crise pela intempérie imensa de 2011 e, até hoje, as famílias estão desabrigadas.

    Concluindo, quando passamos pela antiga rodovia Rio-Petrópolis, para entrar em Corrêas, vira-se à esquerda, em ponte perpendicular à rodovia principal, muito estreita, o que gera brutal congestionamento. Mesmo com emenda no orçamento, projeto pronto, nada foi feito.

    Petrópolis merece e precisa de nosso apoio, por Luiz Paulo